Perguntas e respostas sobre (Le) Parkour | Portal Parkour
Bem vindo! Você não está logado, você pode fazer login ou [cadastro]
Sua central de Parkour no Brasil
Inauguramos a primeira academia de Parkour do Brasil! Conheça em www.tracer.com.br!

Tudo sobre Parkour

Aqui você encontra respostas rápidas para as perguntas mais comuns sobre Parkour. Para quem quer se aprofundar, em breve haverão artigos mais completos abordando melhor os temas aqui mencionados.


Parkour é uma arte do deslocamento. É utilizar uma série de habilidades do corpo humano em conjunto para dominar o ambiente em sua totalidade, de forma a conseguir se movimentar passando por obstáculos no seu caminho. Isso se traduz em treinamento de habilidades como escaladas, pulos, equilíbrio, corrida em infinitas possibilidades de combinações utilizando apenas o corpo como ferramenta, e sempre visando a preservação da integridade física em primeiro lugar.

O Parkour consiste em ultrapassar obstáculos - uma movimentação em função do deslocamento, ou seja, aquilo que vai te ajudar a atingir um objetivo da forma mais eficiente possível. Por isso, saltos mortais e outros movimentos artísticos não fazem parte da essência do Parkour. No entanto, como todo Tracer busca desenvolver as habilidades do corpo de diferents formas, muitos incorporam outros movimentos nos seus treinos por motivos pessoais. Mas ainda assim movimentos que não ajudam num percurso não fazem parte dos princípios do Parkour.

Um dos princípios do Parkour é a integridade física. Não se deve se colocar em risco desnecessariamente, e sim preparar o corpo, com muita força e técnica, para situações adversas. Quase todos os acidentes são perfeitamente evitáveis com uma boa preparação e prudência.

Alguns traduzem "Parkour" simplesmente como percurso, do francês "Parcours". Porém o nome vem do termo "Parcours du Combattant", um treinamento militar francês mais conhecido por aqui como uma espécie de pista de obstáculos militar, onde o guerreiro treina a ultrapassagem dos obstáculos. Para adaptar às ruas, tirou o "Combattant", afinal não se tratava de uma atividade exclusivamente militar. Tirou o "S" para enfatizar a eficiência: Não é eficiente escrever uma letra que não é pronunciada. Substitui então o C pelo K, para dar um tom mais agressivo à palavra. Assim, "Parcours du Combattant" se tornou o que hoje conhecemos como Parkour.

Em meados dos anos 80, David Belle foi treinado por seu pai Raymond Belle, um ex-combatente vietnamita, por um método de educação física onde se desenvolve várias habilidades físicas naturais do ser humano, assim como fundamentos morais. A partir disso, morando na pacata cidade de Lisses perto de Paris, David Belle começou a adaptar os treinos para as ruas junto com seus amigos. Se tornou Bombeiro, aprendeu Kung fu, e no final dos anos 90 criou o termo "Parkour" para aquilo que treinava a mais de 10 anos com os amigos nas ruas.

Assim como no resto do mundo, no Brasil o parkour chegou através de videos na internet. Praticantes de diversas cidades do Brasil como Brasília, São Paulo, Curitiba e Florianópolis começaram a treinar baseado no que viam em poucos videos de David Belle em 2004, e de informações muito escassas em sites internacionais. A partir daí surgiu a comunidade brasileira de Parkour, que foi se desenvolvendo desde então.

Não existe autoridade, mesmo porque Parkour deve ser algo livre pela sua essência. O que existe no Brasil desde 2005 é um movimento de união dos praticantes, através de uma associação de praticantes. A associação promove encontros e outros projetos educacionais de Parkour, mais informações em www.abpk.org.br. No mundo existem algumas associações sendo formada em diversos países. Na Inglaterra também foi criada a Parkour Generations: Um grupo composto por alguns dos precursores do Parkour no mundo, que vem fazendo um trabalho de reconhecimento do Parkour ao redor do globo.

Tracer para o masculino, Traceuse para o feminino. Muitos ainda utilizam o termo "Traceur" para homens, termo popularizado em alguma tradução errônea no início da divulgação do Parkour.. Mas como os "Original Tracers", antigo grupo de David Belle, a grafia certa seria sem o U. A origem do nome vem da gíria "Tracer" em francês, que significa traçar. O nome do primeiro grupo de David Belle também era Original Tracer.

O nome da prática é Parkour, embora muitos insistem em utilizar o "Le" antes do nome, que nada mais é que o artigo masculino no idioma de origem do Parkour, francês.

No Parkour não há competições. Ele é por sua essência não competitivo, onde o Tracer deve focar no auto desenvolvimento e não em vencer alguem. Existe um movimento mais esclarecedor sobre isso, quem tiver interesse leia "Pro Parkour, Against Competition". Por isso os interessados em competições costumam usar outros nomes, como o caso do "Parcouring" na alemanha e "Freerunning" em campeonatos na Áustria e Inglaterra.

Freerunning nasceu do Parkour, é uma prática similar onde a liberdade de movimento é valorizada em detrimento a eficiência do deslocamento. Isso traduz em uma visão mais artística, com saltos mortais e movimentos artísticos até mesmo de dança, sem limitações. Ao contrário do Parkour, que foca exclusivamente nas habilidade de transposição. Já 3RUN é na verdade um grupo de praticantes de Freerunning, Parkour, Tricks, e outras modalidades. Art du Deplacement (arte do movimento) é o nome utilizado pelo grupo Yamakasi, de antigos companheiros de treino de David Belle, que foca tambem na liberdade de movimento no ambiente. Em poucas palavras, enquanto o Parkour foca no "utilitário", as outras práticas focam no "artístico".

O Parkour baseia-se em princípios. Princípios de força, eficiência, superação (obstáculos), e integridade física. No entanto não existe uma filosofia cravada, e isso fica a cargo da comunidade e da interpretação de cada um. No entanto, a comunidade foi desenvolvida em tom de companheirismo, todos se ajudando, todos unidos aprendendo e celebrando a evolução do próximo. Por causa desse clima começou a se desenvolver uma repulsa à tudo aquilo que de uma forma e outra vai contra esse espírito, e assim surgiram algumas ideologias que foram incorporadas pela comunidade como a "filosofia" do Parkour.

O Parkour consiste em ultrapassar obstáculos. Lidar com adversidades. Estar preparado. Por isso, deve-se estar habituado a lidar com muitas adversidades, e nenhum obstáculo é igual ao outro. Para isso seu corpo precisa se adaptar a cada obstáculo, não cabendo definir movimentos ou manobras prontas, e sim treinar diversas habilidades em diferentes circunstâncias. Muitos utilizam terminologia como "vaults", "monkey", "climb up", "cat leap", "precision", mas não passam de nomes pra um tipo específico de movimento. Parkour é utilizar as habilidades do corpo ao máximo, e limitar à "manobras especificas" é encapsular o parkour em algo menor do que de fato é.

O parkour deve ser praticado sempre dentro dos limites do praticante. Assim, qualquer um independente da sua condição pode praticar o seu parkour, quando feito com prudência. Parkour não é um esporte com jogos e movimentos pré-definidos, cabendo ao Tracer saber utilizar o seu corpo da forma que lhe for melhor. Não é necessário se submeter a muito impacto ou perigo, como vemos nos videos mais extremos e cenas de filmes. Existem até videos de deficientes físicos, como um excelente praticante maneta inglês.

Para responder isso seria necessário primeiro a entender a definição do conceito. Parkour não é um esporte onde existam regras, competições, não se enquadra num "jogo". No entanto é uma atividade física, e segundo a estudante de educação física Poliana Sousa:
De todos os conceitos de Esporte o que mais se apropria ao Parkour é: (...) um fenômeno sócio-cultural, que envolve a prática voluntária de atividade predominantemente física (...) não competitiva com finalidade de lazer, contribuindo para a formação, desenvolvimento e/ou aprimoramento físico, intelectual e psíquico de seus praticantes e espectadores. Além de ser uma forma de criar uma identidade esportiva para uma inclusão social.

Uma simples roupa confortável para a prática de esportes, como uma calça leve, camiseta, e um tênis, sendo possível treinar descalço. É necessário prudência e paciência para compreender que o treino deve ser dentro dos seus limites, e não se deve expor a riscos desnecessários. É necessário paciência e persistência para evoluir, então foque em si e não tenha pressa em querer alcançar o nível dos outros.

Primeiro, leia sobre o Parkour entenda do que se trata. É possível treinar sozinho, entendendo conceitos básicos e trocando experiências a distância com outros praticantes. No entanto o mais recomendado é encontrar um grupo na sua região. Parkour foi desenvolvido de forma que os praticantes mais experientes acolham os novos interessados nos treinos, sem qualquer custo ou obrigação. Encontre AQUI uma lista de grupos na sua região.